spot_img
terça-feira , 27 fevereiro 2024
WhatsApp: (84) 99902-9014
Página Inicial Destaques Saiba quem é o professor da UFRN que está entre os melhores do mundo
Destaques

Saiba quem é o professor da UFRN que está entre os melhores do mundo

CAMPUS UFRN

O professor do Departamento de Geologia (DG/UFRN) Francisco Hilário Bezerra está em 32° na lista dos melhores cientistas na categoria de ciências da terra, de acordo com a 2ª edição do ranking Research.com. O resultado é baseado em dados consolidados de várias fontes de dados, incluindo OpenAlex e CrossRef. As informações foram coletadas em dezembro de 2022. Para sua categoria, foram investigados mais de 7636 cientistas.

O docente estuda, principalmente, falhas geológicas, sismicidade e reservatórios petrolíferos. De acordo com a análise da Research.com, o pesquisador publicou nessas três áreas. 

Para ele, não existe ciência sem colaboração no mundo moderno. “Eu tenho tido o privilégio de trabalhar em uma pós-graduação bem administrada e em um grupo de pesquisa produtivo. Minha experiência no Comitê Assessor do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) tem mostrado que os pesquisadores envolvidos em colaborações produtivas são os que conseguem ganhar bolsa de produtividade e se manter na posição. Tenho também tido o privilégio de receber financiamento para pesquisa ou colaborar com pesquisadores que têm recebido financiamento”, completa. 

De acordo com a Research, o professor tem cerca de 195 publicações e seus trabalhos mais citados são: Quão ativa é uma margem passiva? Paleoseismicidade no Nordeste do BrasilHistória holocênica do nível do mar na costa do estado do Rio Grande do Norte, Brasil; e Controle de falha pliocênica-quaternária de sedimentação e morfologia da planície costeira no NE do Brasil

O pesquisador afirma que tem sido um alento ver a ciência voltar a ocupar lugar importante no país. “O reconhecimento pelas pesquisas das quais participo tem vindo através de publicação científica, formação de excelentes recursos humanos e financiamento. Essa experiência tem facilitado alguns acertos. Nas geociências, estamos passando pela transição energética que afeta nossa profissão. Outra mudança importante que sentimos é o uso da inteligência artificial. Esses dois fatores têm afetado a direção da pesquisa e o perfil do profissional que estamos formando”, finaliza.

Em suas pesquisas mais recentes, o cientista tem focado em petrologia, fratura, rocha carbonática, afloramento e cavernas. Sua pesquisa é multidisciplinar, focando em bacias sedimentares. Francisco considera que tem sorte de trabalhar com o que gosta. “Não conto publicações e nem posição no ranking. Minha maior ambição neste momento é ver os jovens pesquisadores com quem trabalho bem colocados profissionalmente”.

Artigos Relacionaos

CPM 22 faz show em Natal neste domingo (28)

Após 9 anos de espera – a última vez em Natal foi...

Potiguar é destaque na Revista Forbes

A neurocientista potiguar Maria Eduarda Franklin é um dos destaques da revista...

Artista do RN ilustra 1ª loja exclusiva de produtos Marvel no Brasil

O artista plástico do RN Eduardo Cattaneo, que também é advogado, levou...

Potiguar de 22 anos tem lesão na retina após olhar para o eclipse solar sem proteção

Mesmo após uma série de recomendações de especialistas sobre os cuidados necessários...