Vazamento em rede social teria exposto dados de 700 milhões de usuários

Vazamento em rede social teria exposto dados de 700 milhões de usuários
Compartilhe

Plataforma conhecida pelo foco em trocas experiências do mercado de trabalho, o LinkedIn teria sofrido o maior vazamento de dados de sua história. Dados de 700 milhões de usuários cadastrados estão sendo vendidos por criminosos na internet e incluem endereços de e-mail, nomes completos, números de telefones e endereços físicos, entre outras informações.

A descoberta foi feita pelo site Restore Privacy, que entrou em contato com os responsáveis pelo roubo e divulgou o problema nesta terça-feira (29). Em um fórum, eles publicaram uma amostra das informações roubadas que inclua informações de 1 milhão de perfis e incluía informações que permitiam comprometer outras redes sociais ligadas ao LinkedIn.

Uma investigação nos dados vazados mostra que eles são autênticos e atualizados e, embora não contenham dados de login e credenciais, podem ser explorados de diversas formas por atores maliciosos. Caso todos os dados sejam reais, eles corresponderiam aos perfis de 92% da base de usuários da plataforma, que atualmente possui 756 milhões de perfis cadastrados.

API do LinkedIn permitiu o vazamento

Segundo Sven Taylor, fundador da Restore Privacy, o roubo foi feito explorando brechas de segurança na API do LinkedIn. Os vazamentos seguem a venda, e os perfis comprometidos correm riscos de sofrer golpes que incluem roubos de identidade, tentativas de phishing, ataques baseados na engenharia social e a invasão de contas a partir do cruzamento das informações obtidas.

Inicialmente, o LinkedIn não havia se pronunciado oficialmente sobre o vazamento, mas quem usa a rede social já deve ficar atento a possíveis tentativas de golpe ocorrendo em um futuro próximo. Para Taylor, a única forma de se proteger de vazamentos do tipo é limitar o nível de informações compartilhadas publicamente, bem como aderir a navegadores, serviços de e-mail e mecanismos de buscas considerados seguros para limitar o acesso externo a seus dados pessoais.

Confira o posicionamento do LinkedIn

O Canaltech entrou em contato com a assessoria brasileira do LinkedIn, que garantiu que a ação não se trata de um vazamento e que nenhum dado privado de seus usuários foi exposto. Confira o posicionamento oficial da empresa:

Nossas equipes investigaram um conjunto de supostos dados do LinkedIn que foram postados para venda. Queremos deixar claro que não se trata de um vazamento e que nenhuma informação privada de usuários do LinkedIn foi exposta. Nossa análise inicial descobriu que esses dados foram extraídos do LinkedIn e de outros sites e inclui as mesmas informações relatadas no início deste ano.

Os usuários confiam seus dados ao LinkedIn, e qualquer uso indevido, como a extração de informações (conhecido como scraping), viola os termos de serviço do LinkedIn. Quando alguém coleta essas informações e as usa para fins com os quais o LinkedIn e nossos usuários não concordaram, trabalhamos para impedi-los e responsabilizá-los.

Fonte: Canaltech

CATEGORIAS
TAGS