No topo do ranking mundial de felicidade, Finlândia quer dobrar número de imigrantes

No topo do ranking mundial de felicidade, Finlândia quer dobrar número de imigrantes
Foto: Getty Images
Compartilhe

No topo do ranking mundial de felicidade, a Finlândia podia ser uma espécie de ímã, atraindo pessoas de diversas partes do mundo em busca de melhores condições de vida. Mas o país enfrenta um encolhimento de sua mão de obra, o que tem levado o governo a adotar uma política de incentivo à imigração, com ajuda de start-ups para divulgar oportunidades.

A Filnlândia tem uma popupação que envelhece, e o número de trabalhadores mais jovens não consegue substituir aqueles que se aposentam. Hoje, a chamada razão de dependência dos idosos está em 39,2%. Isso significa que para cada 100 pessoas com idade de trabalhar, há 39,2 habitantes com 65 anos ou mais.

A previsão das Nações Unidas é que esse percentual alcance 47,5% em 2030. Apenas o Japão tem uma população idosa tão dependendo da força de trabalho dos mais jovens.

Para preencher essa lacuna, o governo finlandês quer praticamente dobrar o número de imigrantes para cerca de 20 mil a 30 mil por ano. Só assim, acredita, será capaz de manter os serviços públicos em operação e reduzir o déficit da Previdência.

A Finlândia, que foi um dos países mais bem-sucedidos no combate à Covid, tem 5,5 milhões de habitantes.

– É sabido que precisamos atrair um número espetacular de pessoas. Eles podem ajudar a cobrir os custos da geração prateada – diz Saku Tihverainen, da agência de recrutamento Talented Solutions.

Start-ups criam sites para divulgar vagas

O programa de atração de talentos do governo, o Talent Boost, está no seu quarto ano. No foco estão trabalhadores de saúde, profissionais da indústria metal-mecânica e de tecnologia da informação. Espanha, Eslováquia e Rússia são algumas nas nações onde o governo tem buscado suprir a mão de obra nessas três áreas.

Mas mesmo com índice de felicidade e bem-estar tão altos, não é fácil atrair imigrantes para o país. No papel, a Finlândia fica bem na foto nos rankings de qualidade de vida, liberdade e equidade de gênero. E ainda exibe baixos índices de corrupção, crime e poluição.

Na prática, o ambiente não é tão acolhedor para os imigrantes. Há uma certa xenofobia e resistência para empregar quem vem de fora, comportamentos apoiados por partidos de direita.

Esforços passados para atrair imigrantes nem sempre deram certo. Em 2013, cinco das oito enfermeiras espanholas recrutadas para uma cidade finlandesa deixaram o país após algumas semanas, citando preços exorbitantes, clima frio e língua complexa

Helsinque quer melhorar imagem

Diante dessa dificuldade, algumas start-ups estão dando uma forcinha para o governo e criando sites para atrair estrangeiros.

– Tentamos fazer da recolocação um processo menos doloroso possível – disse Shaun Rudden, da empresa de delivery de refeições Wolt.

Para o prefeito de Helsinque, Jan Vaaavuori, o status de país mais feliz do mundo por quatro anos seguidos não tem sido suficiente para atrair imigrantes. Por isso, ele tem recorrido até a empresas de relações públicas para trabalhar a imagem da cidade.

Na sua avaliação, a Finlândia vai conseguir atrair imigrantes no pós-pandemia, quando a mobilidade voltar e as proridades das pessoas forem outras.

– Os pontos fortes de Helsinque são a segurança, a funcionalidade, a previsibilidade e a confiança . São valores que vêm ganhando importância. Nossa posição será melhor do que foi no pós-pandemia.

O Globo

CATEGORIAS