Justiça quer intimar craque da seleção brasileira após acusação de ser mandante de crime

Justiça quer intimar craque da seleção brasileira após acusação de ser mandante de crime
Compartilhe

Após um pedido de cooperação jurídica internacional acatado pela Justiça de São Paulo, o atacante Neymar deve ser intimado na França, com o intuito de apurar uma ação movida pelo militante do movimento Aliança Nacional LGBTQI+, Agripino Magalhães. As informações são do colunista Diego Garcia, do portal Uol.

O acusador afirma que foi assaltado à mão armada a mando do jogador e de seu representante, e que precisou fugir após sofrer ameaças de morte de pessoas relacionadas ao atleta. Por conta disso, cobra R$ 1 milhão por danos morais.

Tudo começou após vazamento de um vídeo de Neymar em uma conversa, na qual, seus amigos sugerem que o então namorado da mãe de Neymar seja torturado com um cabo de vassoura, enquanto o jogador do PSG chama o rapaz de “viadinho” e fala que ele “dá o c* do caral*”.

Diante do fato, o ativista entrou com uma ação no Ministério Público pedindo a prisão de Neymar e a abertura de inquérito para apurar uma suposta incitação ao ódio contra LGBTs. Em seguida, Magalhães ingressou com a ação pedindo R$ 1 milhão.

Ao UOL, o advogado Davi Tangerino, que representa juridicamente Neymar e também é processado por Agripino, afirma que Magalhães tenta enriquecer de forma ilícita. Além disso, classifica as denúncias como absurdas e “delirantes” e que a ação “não se trata de pedido sério sob nenhum aspecto”.

Afirma ainda que a denúncia não conta com nenhuma prova ou quaisquer circunstâncias que indiquem que tais fatos existiram. 

Fonte: IG

CATEGORIAS