Projeto ‘Kurta Kombi’ leva sessões de cinemas para comunidades e territórios de vulnerabilidade social em Natal

Projeto ‘Kurta Kombi’ leva sessões de cinemas para comunidades e territórios de vulnerabilidade social em Natal
Compartilhe

De acordo com dados do IBGE, apenas cerca de 10% das cidades brasileiras têm algum cinema. E dessas, boa parte da população não tem condição financeira de pagar os preços dos ingressos cobrados por esses espaços.

Pensando nisso em 2019 os produtores culturais Marcelle e Luiz Paulo (Umara) criaram o Kurta na Kombi, projeto audiovisual com o objetivo de contribuir para a circulação e democratização do acesso ao cinema brasileiro e potiguar.

A Kombi é adaptada com estrutura e equipamentos de projeção, o que possibilidade o projeto atender especialmente comunidades e territórios de vulnerabilidade social na capital potiguar, com pouco ou nenhum acesso ao cinema.

As sessões são ofertadas de maneira gratuita em espaços públicos como praças, parques, áreas de lazer, associações comunitárias e vias públicas.

A exibição de obras potiguares é viabilizada pela parceria com realizadores audiovisuais do Estado, que cedem seus filmes para projeção. As sessões também contam com participações ativas de coletivos, apoiadores, voluntários e pessoas da comunidade.

Embora o projeto tenho sido contemplado com a Lei Aldir Blanc, no final de 2020, ele não dispõe de patrocínio ou financiamento. No início, os produtores realizaram uma campanha virtual que possibilitou a arrecadação de fundos para a reforma e reparos da Kombi. Hoje o Kurta conta com uma lojinha física, montadas em todas as sessões, que comercializa camisetas, bottons, imãs e adesivos. Todo o valor é revertido para o projeto.

No início da pandemia, o projeto precisou se reinventar. Com isso, nos meses de maio, junho e julho de 2020, surgiu o #EmCasa: uma série de sete entrevistas online com diversos realizadores do cinema potiguar, que hoje estão disponíveis no canal do Youtube.

Em 2021, foi desenvolvida outra iniciativa digital, a sessão-debate ‘Diálogos Entre Cinema e Luta Antimanicomial’, que exibiu dois curtas potiguares e na sequência ofertou uma roda de conversa virtual com profissionais de saúde e do audiovisual para debater o tema da loucura.

Ainda durante a pandemia, seguindo todos os protocolos de saúde, o projeto exibiu mais de 40 filmes potiguares, beneficiando cerca de 400 pessoas de diferentes regiões da capital.

“Nosso desejo é que, em breve, estejamos todos vacinados e num contexto social e sanitário mais seguro que permita o projeto funcionar em todo o seu potencial. O projeto aposta na força da sétima arte para levar representatividade para a telona, fortalecer o audiovisual potiguar, coletivizar experiências artísticas e afetivas, fortalecer laços comunitários, criar conexões com a cidade e levar pessoas a refletirem”, afirmou Luiz Paulos.

CATEGORIAS