Startup quer garantir que você não receba mais comida fria nos deliveries

Startup quer garantir que você não receba mais comida fria nos deliveries
Compartilhe

Um velho ditado popular diz que “A necessidade é a mãe da sabedoria”. E uma onda de entregas de pizzas frias na cidade de São Paulo e em Ilha Bela motivou a invenção de um sistema de aquecimento que promete ao consumidor que ele não receberá mais comida fria dos deliveries. E, tão bom quanto isso: ele poderá pedir por refeições mesmo que a sua casa esteja distante do seu restaurante preferido. 

A solução usa um sistema de aquecimento por indução eletromagnética e foi desenvolvida pelo inventor Delfim Neto que, inicialmente, usaria a tecnologia para funcionar em um futuro utensílio doméstico de aquecimento de comida. No entanto, ele observou as propriedades gastronômicas de uma comida fresca — como o queijo de uma pizza, por exemplo — não seriam as mesmas quando reaquecidas nessa plataforma. 

Com isso, o modelo de negócios foi repensado e uma das sugestões foi usar esse sistema de aquecimento em uma mochila de entrega de refeições usadas por motoboys e tão comuns pelas cidades Brasil afora. Dessa forma, a comida manteria seu frescor e temperatura durante todo o trajeto entre o restaurante e a casa do cliente. Aprovada a ideia, começaram os testes. 

Neto, juntamente com Armando Pompeu, Alessandro Andrade e Marcelo Guimarães contrataram um engenheiro para montar o protótipo de uma mochila que pudesse embutir esse sistema de aquecimento, mas sem os riscos de pegar fogo ou danificar seus componentes. Com o exemplar construído, era hora de testar juntos aos restaurantes. 

Para certificar as qualidades do sistema de aquecimento, Pompeu e Andrade testaram a solução nas mais diversas culinárias (carnes, massas, pizzas, sanduíches, sopas, risotos, etc). Eles compravam as refeições, alocavam na mochila dotada com a tecnologia e traziam para casa para experimentar. Quando se certificaram que a invenção funcionava bem, testaram-na junto a chefs de cozinha e donos de restaurantes, notoriamente mais críticos e rigorosos em relação à comida.


Para isso, eles pediam que fossem preparados dois pratos da mesma refeição, alocavam um deles em uma mochila normal e o outro na bag com o seu sistema de aquecimento. Na sequência, eles deixavam os pratos dentro desses compartimentos entre 25 e 35 minutos (tempo médio de um delivery até a casa do cliente) e retiravam os mesmos para que os donos dos restaurantes experimentassem. Enquanto na mochila comum, a temperatura interna era de 30ºC, na adaptada essa temperatura estava em 80ºC, permitindo que as refeições mantivessem seu frescor. 

Mais uma vez, a solução de Neto e cia. ganhou a disputa. Nascia aí a Kenti –  uma foodtech que não apenas quer usar essa tecnologia para deixar as refeições aquecidas — e saborosas — por muito mais tempo, como também permitirá que os restaurantes ampliem o seu raio de entrega para regiões mais distantes, aumentando a clientela, já que o frescor dos pratos será mantido.

De protótipo a produto

Com o feedback positivo dos donos de restaurantes, os fundadores da Kenti contrataram uma empresa de engenharia de maior porte e que transformou o protótipo em um produto final, pronto para ir ao mercado, seguindo as especificações de segurança. Hoje, a foodtech afirma que trabalhará com duas versões da mochila: um onde toda a eletrônica está dentro dela e um segundo modelo em que parte desses componentes está dentro e a outra parte, fora.  

Olhando de fora, a mochila da Kenti parece uma versão normal daquelas usadas comumente pelos entregadores. Mas ao abri-la, é possível ver a tecnologia envolvida. Há uma bateria, um circuito inversor que funciona em sincronia com a espira para fazer a indução eletromagnética e realizar o efeito físico de aquecimento, uma placa de circuito impresso, onde está o software que faz todo o gerenciamento de Internet das Coisas (IoT) e uma pequena placa que traz o recurso de GPS. 

Segundo Alessandro Andrade, todo esse aparato deixa a mochila cerca de 2kg mais pesada, algo equivalente a uma garrafa de refrigerante dois litros, o que impactaria pouco no manuseio dela pelos entregadores.

Confira a matéria completa no Canaltech clicando neste link

CATEGORIAS