Gravações de ex-cunhada de Bolsonaro indicam envolvimento do presidente em rachadinhas, diz site

Gravações de ex-cunhada de Bolsonaro indicam envolvimento do presidente em rachadinhas, diz site
AFP/Arquivos
Compartilhe

Áudios obtidos com exclusividade pelo Uol apontam o envolvimento direto de Jair Bolsonaro com o esquema de rachadinhas (desvio de salários), durante o período em que foi deputado federal. Em uma das gravações, a fisiculturista Andrea Siqueira Valle, ex-cunhada do presidente, revela detalhes do esquema. As informações são da colunista Juliana Dal Piva, do Uol.

Em um dos áudios, Andrea conta que o irmão André Siqueira Valle foi demitido do gabinete de Bolsonaro por se recusar a devolver a maior parte do salário como assessor.

“O André deu muito problema porque ele nunca devolveu o dinheiro certo que tinha que ser devolvido, entendeu? Tinha que devolver R$ 6.000, ele devolvia R$ 2.000, R$ 3.000. Foi um tempão assim até que o Jair pegou e falou: ‘Chega. Pode tirar ele porque ele nunca me devolve o dinheiro certo’, afirmou a ex-cunhada do presidente.

As reportagens do Uol revelam ainda que a tarefa de recolher os salários dos funcionários do gabinete não era exclusividade de Fabrício Queiroz.

Em uma das gravações, a ex-cunhada do presidente revela que o coronel da reserva do Exército Guilherme dos Santos Hudson, ex-colega de Bolsonaro e tio de Andrea, recolheu os salários dela quando ela constava como assessora do gabinete de Flávio Bolsonaro na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro.

“O tio Hudson também já tirou o corpo fora, porque quem pegava a bolada era ele. Quem me levava e buscava no banco era ele”, afirmou Andrea.

De acordo com o Uol, os relatos da ex-cunhada de Bolsonaro são de gravações feitas entre 2018 e 2019. Uma das pessoas que ouviu Andrea entregou os áudios à reportagem sob condição de anonimato.

Outra conversa que a reportagem teve acesso foi entre Márcia Aguiar e Nathália Queiroz, esposa e filha de Fabrício Queiroz. Na troca de mensagens, de outubro de 2019, as duas chamam Jair Bolsonaro de “01”.

CATEGORIAS
TAGS