Ator de Pantanal, da Globo, é investigado por suposto crime ambiental

Ator de Pantanal, da Globo, é investigado por suposto crime ambiental
Compartilhe

O ator Marcos Palmeira, que interpreta o personagem José Leôncio no remake da novela Pantanal, da Rede Globo, responde a uma ação no Juizado Especial Criminal da comarca de Teresópolis. A ação foi aberta dia 2 de abril e tem como tipificação “Causar poluição de qualquer natureza”.  O boletim de ocorrência contra o ator foi aberto dia 29 de janeiro e trata de “Sanções Penais e Administrativas ao Meio Ambiente”. 

O ator possui desde 1997 uma fazenda localizada na Estrada Teresópolis-Friburgo, no bairro de Sebastiana, na Região Serrana do Rio de Janeiro. O local se chama Vale das Palmeiras e foi alvo de uma fiscalização da Polícia Militar para apurar supostos crimes ambientais. Dois cabos da PM entraram na fazenda durante uma fiscalização e acabaram levando para delegacia o gerente de produção de laticínios. Marcos Palmeira também teve que prestar depoimento à polícia.  

A coluna O-Bianco teve acesso exclusivo aos documentos que envolvem o inquérito e o processo. De acordo com o Boletim de Ocorrência, o cabo da policial militar Denilson Santos entrou na fazenda acompanhado de outro agente no dia 29 de janeiro, por volta das 11h42. O militar contou no Termo de Declaração que fazia um patrulhamento na região quando observou uma fabricação de laticínios na Fazenda Vale das Palmeiras. Ao entrar no local, ele foi atendido pelo gerente de produção de laticínios da Fazenda, o sr. Alvino Lucas de Oliveira. O policial informou no documento que não há licença para fabricação de produtos de laticínios no local. O cabo da PM também comunicou no Boletim de Ocorrência que no local está havendo “captação de recurso mineral para uso industrial sem a devida outorga do INEA”, órgão ambiental responsável. Ele destacou ainda que o gerente da Fazenda apresentou apenas um documento que comprova o pedido de licenciamento na Prefeitura de Teresópolis, ainda não deferido. O mesmo depoimento foi registrado na delegacia pelo segundo policial militar, o cabo Vitor Hugo de Oliveira. 

A coluna também teve acesso ao Termo de Declaração prestado pelo gerente de Laticínios da Fazenda. Alvino Lucas de Oliveira informou na delegacia que trabalha há 20 anos na fazenda e reforçou que a licença ambiental da produção de laticínio foi solicitada na Secretaria do Meio Ambiente de Teresópolis. Sobre a captação de água dos lagos, o gerente disse que estaria fazendo um georreferenciamento da propriedade para que fosse solicitado a outorga para exploração de água.

Após o registro do Boletim de Ocorrência, o delegado Ivan de Araújo Dantas solicitou um laudo pericial para análise das supostas irregularidades e intimou o ator Marcos Palmeira a prestar depoimento em sede policial. O perito Thiago de Almeida foi à fazenda no dia 30 de janeiro, mas informou ao delegado que não conseguiu concluir o laudo por falta de acesso ao local. Somente no dia 14 de março um segundo perito criminal, Higor Freitas, conseguiu entrar na fazenda para realizar a perícia, quando também constatou a fábrica de latícinios de origem animal operando no local.  

Laudo da perícia criminal
Reprodução processualLaudo da perícia criminal

Laudo pericial

De acordo com o laudo pericial que a coluna teve acesso, o perito foi recebido por um dos colaboradores da Fazenda chamado Fernando Viana. O perito também constatou que havia a aproximadamente 600 metros da fábrica de laticínios dois lagos naturais. Ainda de acordo com o documento, a água captada desses lagos é direcionada para um reservatório, e desse reservatório para a fábrica e para o alojamento e casas de funcionários da fazenda. O criminalista relatou ainda que foi informado pelo funcionário da fazenda que toda água utilizada na fábrica seria de superfície e captada desses dois lagos. Segundo a conclusão do laudo, “no local foi confirmada a instalação e operação de uma fábrica de laticínios que utilizava água captada de dois lagos naturais localizados também na fazenda Vale das Palmeiras.”

Fonte: IG

CATEGORIAS